Em coletiva à imprensa, GDF detalha medidas restritivas, investimentos em UTIs e reafirma que taxa de transmissão do vírus está em alta

A população da capital da república precisa se envolver mais para ajudar o governo a conter os avanços do coronavírus, que já vitimou quase cinco mil pessoas, só no Distrito Federal. Esse é o entendimento do GDF apresentado pelo secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha, e o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Petrus Sanchez, em coletiva à imprensa realizada nesta tarde de segunda-feira (8), no Palácio do Buriti.

“O maior índice de contaminação ocorre justamente no período noturno e, infelizmente, continua ocorrendo”Gustavo Rocha, secretário da Casa Civil

Após decretar o toque de recolher no período noturno de 22h às 5h da manhã, o Executivo voltou a apelar para a colaboração popular. Segundo o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha é necessário diminuir com urgência as aglomerações e, consequentemente a taxa de transmissibilidade do vírus, que passa de 1,32. “O maior índice de contaminação ocorre justamente no período noturno e, infelizmente, continua ocorrendo. Há pessoas que não se conscientizaram da seriedade do momento que estamos passando – o Brasil, o mundo todo -, e continuam nas suas aglomerações, continuam saindo”, explicou o gestor.

Segundo Rocha, há 10 dias essas taxas estavam bem mais baixas e, a preocupação do governo é com daqui a algumas semanas. “O que está sendo visto hoje nas ruas, será refletido em mais e mais gente contaminada”, afirmou ao se dizer bastante preocupado.

Ele detalhou ainda que o GDF tem intensificado a contratação de novos leitos de UTI, “mas nada será suficiente” se as taxas de infecção e reinfecção não baixarem. “Já foram abertos 264 leitos a mais do que existia. Todos esses leitos já foram ocupados. Na medida que abrem leitos, eles são ocupados no mesmo momento”, lamentou.

Para o secretário Petrus Sanchez, o pedido de colaboração do governo para evitar aglomerações é algo mais temporário que foi no passado. Ele lembrou que com a chegada da vacina, e os bons resultados apresentados, a colaboração será essencial para evitar mais mortes. “A vacinação de idosos, a partir de 80 anos de idade, com 30 dias, surtiu efeito – e já mostrou que esse público já não repercute na internação, quando comparado ao público de 65 a 79 anos”, apontou. “Esse é um dado que ficou bem nítido na nossa equipe de avaliação. A vacinação protege bem, mas enquanto estamos avançando na vacinação, precisamos que todos redobrem os cuidados”, destacou.

Sanchez disse que o governo está fazendo um esforço enorme para recompor os leitos para conseguir acolher quem necessitar da internação, mas precisa que a população volte a se envolver com mais seriedade às medidas restritivas. “Em 2020, tivemos uma taxa de isolamento alta, quando a população se comportou muito bem, mais de 60% de isolamento. Agora, com medidas restritivas, não se consegue chegar a 40% de taxa de isolamento”, lamentou.

Para ele, a melhor gestão no momento não é apenas garantir a ampliação de leitos. “Se não tivermos o controle da disseminação da doença, vamos consumir todos os leitos, de enfermaria e de UTI. Daí a importância do trabalho conjunto com a população, tendo ciência que ela tem um papel fundamental para controlar a disseminação do Covid”, apelou.

Fonte: Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
13 × 4 =