Jovem moradora do Gama faz vaquinha on-line para comprar tablets e doá-los a adolescentes acolhidos em instituições do DF

A adolescente Érica Sousa, em companhia da secretária Mayara Noronha Rocha, fez a doação de tablets para jovens acolhidos em razão de medidas protetivas | Foto: Renato Raphael/Sedes

“Percebi que muitos jovens estavam tendo dificuldade para estudar remotamente. Essa foi a maneira que encontrei de fazer minha parte”Érica Souza, estudante do Gama

A festa de aniversário de 15 anos é um sonho para muitas jovens. Algumas preferem, porém, debutar de outras maneiras, como foi o caso de Érica Souza. A moradora do Gama fez uma vaquinha on-line, pediu dinheiro de presente aos familiares e amigos, juntou com a economia que tinha e comprou três tablets. Os equipamentos foram doados, nesta quarta-feira (13), para adolescentes de unidades de acolhimento do Governo do Distrito Federal (GDF).

“Eu sempre tive vontade de ajudar de alguma forma. Daí veio a pandemia, e percebi que muitos jovens estavam tendo dificuldade para estudar remotamente”, justifica a menina, que estuda no Centro de Ensino Médio Integrado (Cemig) do Gama. “Essa foi a maneira que encontrei de fazer minha parte”, completa a estudante, que pretende ser médica.

“Já temos na Érica um exemplo de cidadania. Por causa de pessoas como ela, nós acreditamos em um DF cada vez melhor, mais humano”Mayara Noronha Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

DF mais humano

Para a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha, o gesto da adolescente foi admirável e de grande importância para a vida dos três jovens. “Já temos na Érica um exemplo de cidadania. Por causa de pessoas como ela, nós acreditamos em um DF cada vez melhor, mais humano”, enfatiza a gestora, que foi à unidade para agradecer, pessoalmente, pelo gesto de solidariedade.

Uma das jovens acolhidas, que recebeu um dos tablets, espera usar o equipamento para os estudos e trabalho. “Estou fazendo um curso que tem aberto portas para mim. Vai me ajudar muito. Sem falar no fato de eu ter sido chamada para fazer estágio no Banco do Brasil”, comemora Raíssa* (*nome fictício), 15 anos.

Para outro adolescente presenteado com o equipamento, o uso principal será na aula on-line. “Vai ser importante, pois eu vou poder acessar a plataforma sempre que quiser”, acredita Pedro*, 14 anos.

Medidas protetivas

Quem quiser fazer doações às crianças e jovens acolhidos deve entrar em contato com a Sedes, pelo telefone 3773-7236, das 9h às 17h

A Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) possui três unidades governamentais de acolhimento para crianças e adolescentes: Unac I, Unac II e Unac III. Os acolhidos estão em medidas protetivas por determinação judicial, em decorrência de violação de direitos, seja abandono, negligência, violência, ou pela impossibilidade de cuidado e proteção por parte da sua família. O afastamento da criança ou do adolescente da família deve ser uma medida excepcional, aplicada apenas nas situações de grave risco à sua integridade física e/ou psíquica.

“O objetivo dessas nossas unidades é viabilizar, no menor tempo possível, o retorno seguro ao convívio familiar, prioritariamente na família de origem”, afirma a secretária Mayara Noronha Rocha, explicando que, excepcionalmente, esses jovens vão para uma família substituta, seja por meio de adoção, guarda ou tutela.

Serviço:

Quem quiser, de alguma forma, ajudar com alguma iniciativa as crianças e jovens acolhidos nas instituições públicas ou parceiras do Estado, deve entrar em contato com a Sedes, pelo telefone 3773-7236, das 9h às 17h.

*Com informações da Secretaria de Desenvolvimento Social

Fonte: Agência Brasília

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
20 × 23 =