O YouTube está em uma iniciativa de valorizar e incentivar a criação de conteúdo na plataforma. Agora, marca pagará aos criadores até US$ 10.000 por mês (o que representa mais de R$ 50 mil, pela conversão) para fazer vídeos populares que viralizam no TikTok, só que no YouTube Shorts.

A empresa planeja pagar US$ 100 milhões ao longo do próximo ano, com os primeiros pagamentos saindo ainda neste mês. O fundo pode significar muito dinheiro para os influenciadores, só que os pagamentos não são garantidos.

Isso porque a popularidade necessária para ganhar dinheiro dependerá de quantas pessoas estão fazendo e assistindo Shorts a cada mês, sendo que os pagamentos também dependem de onde o público de cada criador está localizado.

O YouTube também exige que sejam vídeos originais para o Shorts. Os reenvios e vídeos marcados com marcas d’água de outras plataformas desqualificarão um canal para pagamentos. Além disso, o recurso está disponível em apenas 10 regiões, incluindo países como EUA, Reino Unido, Índia e Brasil.

Os criadores são tradicionalmente pagos no YouTube, só que com base nos anúncios exibidos durante os vídeos, contando com a relação direta entre o número de visualizações do anúncio e a quantidade de dinheiro que eles recebem. Com o Shorts, a empresa não quer veicular um anúncio antes de cada clipe e por isso quer construir essa forma alternativa de pagamento para os criadores.

iphone 6 em cima de mesa com aplicativo do youtube aberto
Imagem: BongkarnGraphic / Shutterstock
Com isso, o Shorts Fund será substituído por um “programa de monetização escalável de longo prazo”, de acordo com Neal Mohan, diretor de produtos do YouTube. Ele explicou que este fundo é “uma forma de começar e realmente começar a descobrir” como a monetização. “Você está essencialmente consumindo um feed de shorts, então a modelo tem que funcionar de forma diferente”, disse Mohan.

A tendência é que esse tipo de pagamento se torne cada vez mais comum. Por exemplo, o TikTok e Snapchat pagam aos criadores de acordo com a popularidade de seus vídeos, e não com anúncios. Portanto, o resultado é mais lucrativo, embora haja menos transparência sobre quanto podem gerar de receita.

Ademais, Mohan indicou que o YouTube não exigiria que os criadores usassem Shorts para aumentar seu envolvimento geral na plataforma. “Se o criador quiser fazer isso por meio de um documentário de duas horas sobre um determinado tópico pelo qual é apaixonado, o YouTube deve ser o lugar para isso. Se eles querem fazer isso por meio de um curta de 15 segundos, que mistura seu hit favorito de seus artistas favoritos, eles devem ser capazes de fazer isso”, concluiu.

Fonte: Olhar digital

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
16 ⁄ 4 =