DF registrou queda de 45% no volume de exames no ano passado

Um levantamento feito pelo sindicato de laboratórios e centros de diagnósticos privados do Distrito Federal, o Sindilab, constatou a diminuição de 45% nos volumes realizados de exames de sangue para avaliação do PSA, no ano passado em relação a 2019. O antígeno específico da próstata (PSA, da sigla em inglês) é uma proteína muito útil para avaliar condições anormais da glândula, incluindo o câncer.

Em comparação com o volume de investigação feita pelas mulheres, o volume de busca por diagnóstico de câncer de mama foi apenas 12% menor no ano pandêmico de 2020 em comparação a 2019.

Na opinião do oncologista do Centro de Câncer de Brasília (Cettro), Paulo Gustavo Bergerot, isso se deve em grande parte à pandemia da covid-19. “Com a necessidade do isolamento social, houve uma relativa negligencia em relação a consulta de rotina para investigar problemas diversos. Isso é especialmente prejudicial pois acarreta uma tendência de diagnósticos mais tardios o que pode exigir tratamentos mais complexos. Além disso, um número considerável de pacientes interrompeu processos diagnósticos e tratamentos”, ponderou o especialista.

Vale destacar que, ainda de acordo com o levantamento dos laboratórios, trata-se da maior queda já registrada na história.

O médico enfatiza que o câncer de próstata é tratável e curável. “Porém, o diagnóstico precoce e o tratamento imediato são fundamentais”, enfatiza Bergerot. “Não devemos esperar por sintomas. Tumores prostáticos tipicamente não são sintomáticos quando em estágio inicial. Quando eles aparecem, o estágio está bem avançado”, complementa.

Outro alerta é para o fato de se tratar do câncer com a maior prevalência entre os homens. O especialista estima que a maioria das pessoas acima dos 60 e 70 anos pode ter algum problema na próstata. “Não necessariamente maligno. Entretanto, desses, até 11% pode desenvolver câncer de próstata”, conclui.

A estimativa de novos casos de câncer de próstata calculados pelo INCA para o ano de 2021 é de 65.840 no país.

Novembro Azul
Neste ano, a campanha de sensibilização completa 10 anos em nível nacional. E foi por causa dessa iniciativa que a detecção aumenta consideravelmente ao longo dos anos. “Homens costumam fazer check-up neurológico e cardiológico, mas deixam o urológico em segundo plano”, alerta o urologista Paulo Gustavo Bergerot.

“A campanha é importante para conscientizar a população masculina acima dos 50 anos sobre as medidas de prevenção e autocuidado. No caso dos homens é bem mais complicado em relação às mulheres, pois elas fazem melhor o acompanhamento de saúde”, destaca o médico.

Para o especialista, ainda há preconceito em relação ao rastreamento do câncer de próstata, principalmente por conta do exame de toque retal. “Nem sempre precisa ser feito. Esse é um dos mecanismos utilizados. Tem o PSA e exames por imagem, entre outras formas de rastreio”, resume.

Para a prevenção e diagnóstico precoce, a Secretaria de Saúde lembra que todas as UBSs estão aptas a receber os homens para os cuidados com a saúde. Equipes de saúde da família estão prontas para acolher os pacientes e realizar a coleta de material para o exame de PSA além de exames rápidos para HIV, hepatite e sífilis, entre outros relacionados aos cuidados gerais da saúde. É a equipe que faz o encaminhamento para a consulta médica ou com um especialista, caso seja necessário. Como aspecto positivo, a secretaria informa que a estratégia de saúde da família aumentou o número de casos rastreados no Distrito Federal com encaminhamento para tratamento precoce.

Prevenção
É indicado que os homens a partir dos 40 anos com fatores de risco (parente de primeiro grau com câncer de próstata, afrodescendentes, obesos) ou com 50 anos ou mais sem esses fatores, devem buscar atendimento de prevenção nas unidades básicas e saúde para que, se necessário, sejam encaminhados ao urologista e realização de exames mais específicos. Somente Ana consulta com o especialista é fundamental para serem realizados os exames rastreio que incluem o exame de toque retal, que permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos, e o exame de sangue para medir o valor do PSA.

Sintomas
• dor óssea;
• dores ao urinar;
• vontade de urinar com frequência;
• presença de sangue na urina e/ou no sêmen.

Fatores de risco:
• histórico familiar de câncer de próstata: pai, irmão e tio;
• raça: homens negros sofrem maior incidência deste tipo de câncer;
• obesidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Solve : *
11 + 25 =