De acordo com informações da empresa de Elon Musk, internet da Starlink funciona enviando informações por meio do vácuo do espaço, onde se desloca mais rapidamente do que em cabos de fibra óptica

 (crédito: Reprodução/Instagram)
(crédito: Reprodução/Instagram)

O governo federal quer utilizar satélites de órbita baixa da empresa de Elon Musk, que está no Brasil, para levar internet para áreas rurais e lugares remotos, de acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria. A tecnologia que o bilionário quer vender para o país deve ajudar no controle de incêndios e desmatamentos ilegais na floresta amazônica.

O projeto da Starlink, empresa de Musk, para operar satélites de órbita baixa no Brasil é um dos temas da reunião do empresário bilionário com o presidente Jair Bolsonaro (PL), nesta sexta-feira (20/5), em São Paulo.

Faria se encontrou com Elon Musk em dezembro do ano passado para tratar do projeto, que resultou na nova rodada de negociação. A internet da Starlink, de acordo com informações da empresa, funciona enviando informações por meio do espaço, onde se desloca mais rapidamente do que em cabos de fibra óptica e tornando-a mais acessível a mais pessoas e locais.

Assinatura mensal

A Starlink nasceu em 2015 como um braço da SpaceX, de turismo espacial, e promete colocar 42 mil satélites em órbita baixa (entre 500 km e 2.000 km de altitude) para “vender” internet por uma assinatura mensal. A ideia de Musk é cobrir todo o planeta, incluindo regiões remotas e rurais — o que aumenta o potencial de inclusão e expansão de negócios.

Nas áreas remotas, o volume de satélites garantiria o funcionamento de uma rede, garantindo que não existam áreas sem cobertura conforme o globo terrestre se movimenta.

O principal objetivo da internet por satélite é levar conexão a um custo menor do que mover pesadas infraestruturas de cabeamento (como fibra ótica) e antenas para locais distantes de centros urbanos.

Nesse sentido, “conectar” a Amazônia, como quer o governo brasileiro, pode ficar mais fácil, já que esse mercado também encontra poucos competidores — rivais como Viasat, HughesNet e Project Kuiper (da varejista Amazon) estão no ramo.

Velocidade

A Startlink promete o que chama de alta velocidade e baixa latência: entre 100 Mbps e 200 Mbps de rapidez na conectividade, com latência de 20 ms. Musk afirma que o serviço deve ficar melhor com o tempo, conforme mais satélites entram em órbita.

Indisponível no Brasil, o serviço da companhia está em operação em países da América do Norte, Europa e Oceania. As assinaturas saem por US$ 99, além de ser necessário desembolsar outros US$ 499 para a instalação do modem em casa. Não é possível saber o quanto seria cobrado no Brasil.

Fonte: correiobraziliense

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

um × 1 =

Solve : *
5 + 9 =