Secretaria oferece suporte em vacinação, prevenção e controle de doenças infecciosas a essas populações

A data de hoje, 19 de abril, homenageia os povos originários do país. A Secretaria de Saúde oferece suporte em vacinação, prevenção e controle de doenças infecciosas a essas populações no Distrito Federal.

Ação na comunidade Guajajara, que está localizada no Noroeste | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde DF

“É uma população de extrema vulnerabilidade tanto na questão econômica, quanto cultural e social. Quando nós da saúde ofertamos ações, eles sentem maior pertencimento e cuidado”, afirma a gerente de Atenção à Saúde de Populações em Situação Vulnerável, Denise Leite Ocampos.

 

Os serviços que a secretaria oferece contemplam prevenção, imunização, controle de doenças tanto infecciosas quanto crônicas e suas complicações.  A pasta faz o acompanhamento da vacinação das comunidades indígenas do DF e dos que estão em trânsito encaminhados pelo Conselho Indígena.

A atenção à saúde integral da população indígena deve considerar o espaço e o processo sociocultural dos povos na execução da assistência, inclusive reconhecendo a eficácia de suas ações tradicionais de cuidado à saúde e o direito à sua cultura.

A Gerência de Atenção à Saúde de Populações em Situação Vulnerável e Programas Especiais (GASPVP), em parceria com órgãos governamentais, instituições privadas e movimentos indígenas, organiza fóruns em saúde a fim de capacitar servidores para atendimentos às comunidades indígenas no Distrito Federal.

A comunidade indígena Warao no DF é formada por cerca de 170 pessoas. Originários da Venezuela, eles buscam no Brasil melhores condições de vida. Eles migraram para cá em decorrência da falta de assistência em saúde e vulnerabilidade no país de origem. Na região do Noroeste, vivem cerca de 200 pessoas dos povos Guajajara, Fulni-ô, Tuxá e Kariri-Xocó em área equivalente a 32 hectares e a UBS de referência é a 114/115 Asa Norte.

Atendimento aos indígenas Warao no DF | Foto: Tony Winston/Agência Saúde DF

No DF não há equipe de atenção primária específica para atenção à população indígena. Essas pessoas são atendidas pela UBS de referência da região em que residem. O único serviço de referência para eles é o Ambulatório de Saúde Indígena ofertado no Hospital Universitário de Brasília (HUB). Os profissionais de saúde, alunos e professores, em sua maioria indígenas, são responsáveis por acolher e acompanhar os usuários em consultas, internação e procedimentos.

A secretaria embasa as ações conforme o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), feito em 2010. Nesse levantamento, a população indígena é formada por uma pequena parcela (0,2% da população do DF) e se concentra principalmente na área urbana (97%).

 

Fonte: agencia brasilia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

onze + três =

Solve : *
32 ⁄ 16 =