Ele é uma combinação das substâncias lamivudina e dolutegravir sódico para o tratamento de HIV — vírus causador da Aids.

Notícia boa para pacientes com HIV/Aids. A Anvisa aprovou um novo tratamento contra o HIV que combina duas substâncias em um único comprimido.

Ele é uma combinação das substâncias lamivudina e dolutegravir sódico para o tratamento de HIV — vírus causador da Aids.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, essa combinação de medicamentos em doses únicas diárias simplifica o tratamento e a adesão dos pacientes.

A aprovação representa um avanço no tratamento das pessoas portadoras do vírus, já que reúne em uma dose diária os dois antirretrovirais, que não estavam disponíveis em um só comprimido.

“A aprovação do Biktarvy® significa um grande passo no tratamento do HIV no Brasil. Principalmente pela forma simples e eficiente com um único comprimido ao dia”, afirma a Diretora Médica da Gilead no Brasil, Dra. Rita Manzano Sarti.

O registro foi concedido ao laboratório GlaxoSmithKline Brasil, após estudos de eficácia e segurança com dados que sustentam as indicações autorizadas.

Como ele age

O medicamento poderá ser indicado como um regime completo para o tratamento da infecção pelo vírus HIV tipo 1 em adultos e adolescentes acima de 12 anos que pesem pelo menos 40 kg, sem histórico de tratamento antirretroviral prévio, ou em substituição ao regime antirretroviral atual em pessoas com supressão virológica.

Segundo a bula do medicamento, ele reduz a carga viral, ou seja, a quantidade de HIV no organismo do paciente, mantendo-a em nível baixo.

A medicação promove também aumento na contagem das células CD4, tipo de glóbulo branco do sangue que exerce importante papel na manutenção do sistema de defesa do organismo saudável, ajudando a combater as infecções.

Vacina contra HIV

Em uma outra frente, o laboratório Moderna anunciou que os primeiros testes da vacina contra HIV já estão sendo feitos em humanos nos Estados Unidos desde agosto.

O imunizante foi produzido a partir de tecnologia do RNA mensageiro (mRNA), que é o mesmo utilizado pela empresa em vacinas antiCovid.

A fase 1 dos testes em humanos foi publicada formalmente no registro do Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos. Os estudos iniciais vão envolver 56 pessoas com idades entre 18 e 50 anos não portadoras do vírus.

Fonte: Sonoticiaboa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

8 − 2 =

Solve : *
24 − 7 =