Mais um viva à ciência! Pesquisadores da Unicamp, Universidade Estadual de Campinas, no interior de São Paulo, desenvolveram o óleogel, um gel que pode substituir as gorduras trans e saturadas e ser usado na fabricação de alimentos mais saudáveis.

Imagem de capa para Cientistas brasileiros desenvolvem óleogel para substituir gorduras trans e saturadas
O óleogel desenvolvido na Unicampo pode ser usado para substituir a gordura saturada em alimentos industrializados – Fotos: reprodução / Arquivo Pessoal / Noádia Genuario Barroso

Mais um viva à ciência! Pesquisadores da Unicamp, Universidade Estadual de Campinas, no interior de São Paulo, desenvolveram o óleogel, um gel que pode substituir as gorduras trans e saturadas e ser usado na fabricação de alimentos mais saudáveis.

O produto é feito de óleos de soja, linhaça ou girassol e promete ser menos prejudicial ao coração e ao cérebro, já que reduz as chances de acidente vascular cerebral (AVC).

O gel de óleo vegetal é capaz de substituir gordura saturada em pães e sorvetes e reduzir riscos à saúde. A Pesquisa do “OléoGel’ foi publicada em duas revistas científicas.

Como foi criado

O “oleogel” foi criado a partir dos óleos tradicionais de gordura insaturada, que aumentam os níveis do colesterol HDL, popularmente chamado de colesterol bom. Segundo os pesquisadores do Departamento de Engenharia de Alimentos, o gel poderá ser usado em sorvetes, embutidos, margarinas e biscoitos.

Para dar mais consistência ao produto, a pesquisa da Universidade Estadual de Campinas usou uma cera natural extraída de frutas vermelhas, além de um emulsificante a base de soja para garantir a mistura.

Saudável

“O que a gente procurou aqui é que fosse saudável, mas que mantivesse as características que o consumidor está acostumado no seu alimento tradicional. Ele é um sólido, embora mais de 90% seja de óleo líquido”, explicou a professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos, Rosiane Lopes da Cunha.

Gorduras saturadas e insaturadas

Os pesquisadores indicam que o gel pode ser usado na indústria alimentícia para compor a textura dos alimentos, papel que atualmente é das gorduras saturadas.

Enquanto as gorduras insaturadas são originárias de óleo vegetal, como azeite, amêndoas, nozes e castanha de caju, as saturadas são encontradas em fontes de origem animal, como carne, leite e ovos. Quando consumidas em excesso, aumentam o colesterol ruim e as chances de infarto e AVC.

“Vai fazer com que a gente forme placa de ateroma, que são placas mesmo, dentro dos nossos vasos, e vai causar a deficiência do fluxo de sangue, provocando um entupimento, desencadeando um infarto do miocárdio e o acidente vascular cerebral”, disse a nutricionista Adriana Passos.

Parece banha ou toucinho

Segundo Rosiane, o novo produto tem uma textura familiar, bem parecida com a da banha, por exemplo.

“Nós pegamos um óleo comum, aquele que a gente usa na cozinha, e transformamos em um gel que é parecido com uma gordura sólida, como banha ou toucinho, que a gente também conhece”.

Agora, a meta é buscar métodos para introduzir o gel na indústria.

“Existe uma série de indústrias que podem se beneficiar dessa tecnologia: a indústria de produtos panificados, os biscoitos, recheios de biscoito… Os produtos como salame, mortadela, presunto. As margarinas, os chocolates, os sorvetes”, completou a professora.

A professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Rosiane Lopes da Cunha, mostra o óleogel - Foto: reprodução / InovaUnicamp

A professora da Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp, Rosiane Lopes da Cunha, mostra o óleogel – Foto: reprodução / InovaUnicamp

Com informações da Unicamp e Agência Brasil

Espalhe notícia boa!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

15 − 14 =

Solve : *
27 + 9 =