Especialista alerta sobre importância de tomar alguns cuidados, principalmente para pacientes do grupo de risco

O inverno chegou e, com ele, o risco de adoecer. Com as baixas temperaturas e ar frio e seco, aumentam os casos de doenças respiratórias e, também, os casos de infarto e AVC. Para evitar crises e internações, é preciso tomar cuidado redobrado, principalmente se você é do grupo de risco.

Pacientes que fumam, têm hipertensão arterial, são sedentários, obesos, têm rinite, asma, bronquite ou enfisema pulmonar estão entre os principais afetados nessa época do ano.

“A baixa umidade do ar, as alterações bruscas de temperatura e o aumento da poluição atmosférica são fatores preocupantes e surgem juntos nesse período. Em Brasília, temos ainda o agravante da baixa umidade do ar e tempo muito seco. Com isso, é um período de risco grave para alguns pacientes”, explica o médico cardiologista e responsável pela Clínica Amplexus, Dr. Fabricio da Silva.

O frio tem relação direta com o aumento de infartos e doenças respiratórias e o principal motivo é a reação do nosso corpo ao frio e o mecanismo que ele adota para manter nossa temperatura interna próxima de 36ºC.

Infarto e o frio

Quando a temperatura cai, principalmente abaixo de 14ºC, nosso organismo inicia um processo de vasoconstrição. “Nossas extremidades sentem frio e o corpo aumenta o metabolismo para se aquecer. Com isso, os vasos sanguíneos se contraem, diminuem o diâmetro. Esse é o primeiro ponto de perigo”, explica o cardiologista.

Segundo ele, nesse processo, o coração precisa fazer mais força para bombear o sangue e irrigar os órgãos. No frio as pessoas acabam bebendo menos água e favorecendo a desidratação.

“É um conjunto de fatores, sangue mais denso, coagulando facilmente, aumento da pressão sanguínea, maior risco de placas de gordura se desprenderem no interior das artérias e isso tudo bloquear o fluxo de sangue, provocando o infarto”, completa o cardiologista.

Doenças respiratórias

O ar frio atua como irritante das vias aéreas, o que acarreta mais sintomas alérgicos, como a falta de ar e a coriza. Com o tempo frio, as pessoas tendem a passar mais tempo em ambientes fechados, com pouca ventilação, o que favorece também a maior transmissão de viroses, gripes e resfriados.

Com a vasoconstrição do organismo para manter o corpo aquecido, o funcionamento das vias aéreas é prejudicado. “O funcionamento do nosso corpo se altera, perdemos água e calor com a respiração e nossas vias aéreas ficam mais secas e vulneráveis a irritações e infecções”, ressalta Dr. Fabricio da Silva.

Cuidados no frio

Uma das melhores formas de evitar as crises e doenças respiratórias nessa época do ano é manter ambientes ventilados, sem acúmulo de poeira, e se hidratar bastante.

No caso das doenças cardiovasculares, é importante evitar os choques térmicos, proteger-se das baixas temperaturas, agasalhar-se bem e evitar a exposição prolongada ao frio intenso.

Além disso, nos dois casos, é essencial manter o check-up em dia, ter sempre o acompanhamento de um médico, fazer exercícios físicos regularmente, beber bastante água, evitar comidas gordurosas e com muito sal e não abandonar a medicação.

Da Redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

18 − 15 =

Solve : *
24 ⁄ 12 =