O ex-flanelinha Renato Correa hoje fatura R$ 80 milhões por ano com franquias de açaí

Era comum ver o Renato Correa, durante a adolescência, pela orla de Santos, no litoral de São Paulo, enquanto ele cuidava de carros na região.

Na época, com 16 anos, ele tomava banho em um chuveiro da praia e secava as roupas nas árvores. Tentava guardar o que sobrava de dinheiro e buscava uma oportunidade para sair da rua. Renato queria deixar de ser flanelinha e ter um trabalho “sério”, de carteira assinada.

E ele conseguiu! Hoje, Renato fatura R$ 8 milhões por ano com franquias e gera emprego para 80 pessoas!

A necessidade o levou para as ruas

Renato é de Marília, também em São Paulo. Com apenas 1 ano de idade, ele foi para Santos com a mãe em buscar de novas oportunidades de vida.

Aos 10, precisou ajudar em casa e começou ir às ruas tentar ganhar alguns trocados. O primeiro trabalho de Renato nas ruas era ajudando as senhoras a carregar as compras do mercado ou tomar conta dos carros.

Ele conta que a estrutura familiar não foi perfeita. Os dois padrastos que teve, agrediam a mãe, o que fez com que, ainda jovem, fugisse de casa.

E foi quando Renato passou a viver nas ruas completamente. Ele conta que o endereço, por muitos anos, era a concha acústica, no calçadão de Santos.

Na tentativa de mudar um pouco mais, ele decidiu que iria sair das ruas e, para isso, precisava de um emprego fixo.

Novas oportunidades

Ainda com 16 anos, Renato conseguiu um emprego de chapeiro em um trailer de lanches. O trabalho era durante a noite, então ele aproveitava parte do dia para vender frutas.

Não demorou muito para que a esperteza de Renato chamasse a atenção do chefe. Pouco tempo depois, de chapeiro, ele se tornou sócio do trailer.

“Eu falo que a melhor coisa que poderia ter acontecido na minha vida, e eu tenho orgulho disso, foi ter ido morar na rua. Eu estava do lado de drogas, do álcool, passei o Natal sozinho na rua…, mas o maior aprendizado é não se vitimizar”, afirma.

Estudo é fundamental

Mesmo com bons rendimentos no trailer, o ex-flanelinha queria mais. Aos 24 anos, Renato decidiu finalizar os estudos para poder cursar faculdade de gestão empresarial.

E mais uma vez ele conquistou o que queria!

Do trailer, Renato foi ocupar um cargo no setor comercial de uma grande empresa, na região de Sorocaba.

Mas o empreendedorismo estava no sangue e no coração. Ele então mudou-se para Praia Grande e decidiu encarar um novo desafio: abrir o próprio negócio.

Hoje, aos 46 anos, Renato fatura aproximadamente R$ 8 milhões somente com franquias. Uma delas é a OakBerry Açaí, queridinha do público praieiro.

Renato também gera empregos para 80 pessoas e disse sempre gostar de incentivá-los, principalmente os mais jovens.

“Como empresário, o que mais me traz satisfação é você colocar um projeto em pé. Minha paixão é trabalhar com pessoas, gerir e dar oportunidade. Me dá um tesão trabalhar com essa molecada mais jovem, tentar direcioná-los através da minha experiência e mostrar que a gente consegue tudo que a gente quer”, conta.

Empreendedorismo e afeto

A veia empreendedora também está na Patrícia Latsch, mas ela só descobriu isso após um diagnóstico de Síndrome de Burnout, em 2020.

Após a notícia do transtorno, a Pat viu a vida mudar completamente. Ela foi afastada do emprego de auxiliar de enfermagem, enfrentou uma depressão e crises de ansiedade. Agora, descobriu uma hérnia de disco na lombar que pode deixá-la sem andar.

E o mais incrível é que a Pat nunca desistiu e nem desanimou. Através das Trufas da Careca, ela tem se sustentado e custeado o tratamento, que é bastante caro. Além disso, é como ela leva uma mensagem positiva e de autocuidado para todas as pessoas. “O afeto transforma”, diz.

Só que com a nova cirurgia, a Pat não tem como trabalhar, pois ficará sem andar. Então lançamos uma vaquinha para ajudá-la a comprar um triciclo!

De: Redação / Fonte: Sonoticiaboa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

7 + 10 =

Solve : *
14 × 21 =