Programa beneficia os que utilizam a rede pública de saúde, levando remédios em domicílio gratuitamente

O programa Entregas de Medicamentos em Casa, da Secretaria de Saúde (SES), completa dois anos comemorando o bom resultado. Só no ano passado foram 132 mil remessas de remédios enviadas às residências dos pacientes.

“O programa começou temporariamente devido à covid-19, mas foi visto que o benefício era grande para os pacientes. A cada mês tem um aumento gradual dos atendimentos”, explica a diretora de Assistência Farmacêutica substituta da SES, Ada Amália Urdapilleta.

De acordo com os dados da pasta, em janeiro de 2021 foram efetuadas 8.162 entregas, enquanto no mesmo período neste ano, o número aumentou para 10.575. O crescimento se dá pela maior adesão dos pacientes, além do aprimoramento do serviço.

Em janeiro de 2021 foram efetuadas 8.162 entregas e no mesmo período deste ano o número aumentou para 10.575. O crescimento se dá pela maior adesão dos pacientes, além do aprimoramento do serviço | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Desde o início das entregas, as filas nas três unidades das Farmácias de Alto Custo na Asa Sul (Estação do Metrô da 102 Sul), no Gama (Praça 1 do Setor Leste) e em Ceilândia (Praça do Cidadão) foram reduzidas. “Temos mais de 30 mil pacientes cadastrados, apesar de nem todos eles aderirem ao programa, porque alguns gostam de ir fisicamente, já percebemos o efeito das entregas com a redução das filas. O atendimento tem sido mais rápido”, avalia Ada.

“Estamos felizes em participar de um projeto de tamanha importância para a gente da nossa cidade”Paulo Henrique Costa, presidente do BRB

O operador de telemarketing Vitor Rodrigues, 20 anos, é um dos beneficiários do programa. Há seis meses, o morador de Vicente Pires recebe em casa a insulina glargina para o tratamento de diabetes.

Rodrigues prefere receber o medicamento a ter que se deslocar até uma unidade da farmácia de alto custo. “Gosto da comodidade de receber o medicamento em casa”, define. Além disso, ele elogia a praticidade do cadastro. “Foi rápido. Primeiramente me informei dos documentos necessários, a partir disso levei lá e em cerca de 10 dias já estava aprovado”, lembra.

Cadastro

A parte de agendamento, dispensação, embalagem e entrega dos medicamentos é conduzida pelo BRB Serviços. “A parceria do BRB com o GDF para a entrega de medicamentos de alto custo tem como objetivo a prestação de um serviço de qualidade para a população do Distrito Federal, garantindo conforto e proporcionando cuidado a quem precisa. Estamos felizes em participar de um projeto de tamanha importância para a gente da nossa cidade”, afirma o presidente do BRB, Paulo Henrique Costa.

 

O serviço costuma ser oferecido aos usuários. Quem ainda não é atendido pode pedir a inclusão no programa pelo telefone (61) 3029-8080. Estão habilitados a participar os pacientes cadastrados em uma das três farmácias de alto custo do DF.

As farmácias de alto custo atendem uma linha de cuidado definida pelo Ministério da Saúde, com 113 protocolos e 264 tipos de medicamentos que tratam doenças crônicas e raras. Os tratamentos mais comuns são de lúpus, doença renal, esquizofrenia e artrite reumatoide.

Mesmo com as entregas, o atendimento físico continua funcionando de segunda a sexta, das 7h às 19h, e sábado das 7h às 12h. A Secretaria de Saúde trabalha para abrir mais uma unidade da farmácia de alto custo, em Sobradinho.

fonte: agencia brasilia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dois × 2 =

Solve : *
22 + 5 =